Avatar

20 janeiro, 2010

Desde que Avatar saiu nos cinemas, a maioria das pessoas se deslumbrou e eu só falando mal. Até que eu vi o filme e bem… agora eu posso falar mal com propriedade.

É a mesma discussão que eu tive com um amigo sobre Apocalypto: tudo bem que tem aspectos diferentes, mas a história… pô, vc já deve ter visto pelo menos uns 3 filmes iguais: o forasteiro se aproxima com algum intento sórdico, é aceito e aprende os costumes da nova tribo, se apaixona pelo lifestyle e pela mocinha e daí tem que confrontar seus iguais pra defender quem o acolheu tão bem. Tudo bem, tem filme que é clichêzão mas é bom porque os pormenores são surpreendentes, mas Avatar infelizmente não se encaixa na categoria, inclusive o vilão master. Sério, gente, ninguém é tão mau e tão… estereotipado. E desculpa, pra mim um filme pra ser considerado perfeito, a trama também tem que ser perfeita.

Além disso, eu JURO que ouvi algumas notas de My Heart Will Go On durante o filme. Quase que embrulhei do estômago.

Dito isto, o filme vale a pena ser visto sim. Em 3D, claro, porque é um visual magnífico e, apesar das minhas críticas, não é um filme enfadonho. O meu problema com Avatar é só esse frenesi todo, sendo que a única coisa que o filme tem de uau é a tecnologia na criação do planeta e dos seres que o habitam. Aquelas cores, aquele brilho e aquela naturalidade de movimentos são realmente magníficos. E eu tenho que admitir que as personagens femininas de James Cameron são maravilhosas e as atuações em geral estão bem legais.

Eu só acho que os moviemakers deveriam olhar mais pro lado da humanidade. Por que fazer tanto filme em que a gente é o vilão? E daí, no meio de Avatar eu me lembrei porque eu gosto tando de Senhor dos Anéis: é um épico sobre humanos se esforçando e se arriscando por outros humanos, é  sobre fazer o que tem que ser feito, não importa o quão difícil será e aí tem os amigos com quem o fardo vai ser dividido. Isso sim é emocionante.